Brasil espera um documento oficial
     

Da esquerda para a direita: presidente da Acaert, Pedro Peiter; gerente da Unidade Operacional da Anatel em Santa Catarina, Estevão Hobold; secretária interina de Comunicação Eletrônica do Minicom, Patrícia Ávila; e vice-presidente Jurídico e Institucional do Grupo RBS e Conselheiro da ABERT, Alexandre Jobim, durante o painel do 15° Congresso Catarinense de Rádio e Televisão, realizado em Florianópolis, Santa Catarina.
BRASÍLIA, Brasil — O documento oficial que detalhará as etapas da migração do rádio AM para a faixa de FM aqui deverá ser publicado em setembro deste ano.

Por Carlos Eduardo Behrensdorf

A secretária interina de Comunicação Eletrônica do Ministério das Comunicações (Minicom), Patrícia Ávila, deu a informação na quinta-feira, oito de agosto, durante o painel do 15° Congresso Catarinense de Rádio e Televisão, realizado em Florianópolis, Santa Catarina.

O Ministério das Comunicações e a Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (ABERT) discutem os termos do documento. O Minicom prepara uma minuta de lei com todas as condições para a migração. Quando concluído será encaminhado à Casa Civil.

A medida é uma reivindicação da ABERT e das associações estaduais de rádio e televisão que acreditam ser a migração a melhor solução para o rádio AM brasileiro. A transição não será obrigatória e, nas cidades onde o espectro de FM não comportar novos canais, haverá a necessidade de extensão da faixa de Freqüência Modulada utilizando os canais 5 e 6 de televisão, conforme explicou Ávila.

A ampliação da faixa de FM para abrigar canais de emissoras AM é necessária, principalmente, nos grandes centros urbanos onde o sinal de ondas médias mais sofre com ruídos e interferências. “Isso reduz a condição de competitividade da empresa”, declarou a secretária do Minicom. “A medida dará maior condição de competitividade e uma melhor qualidade de sinal”.

O presidente da Associação Catarinense de Emissoras de Rádio e Televisão (Acaert), Pedro Peiter, acredita que muitas rádios AM desejarão migrar para o FM constatando a degradação que o sinal das ondas médias vem sofrendo nos últimos anos. “O que me preocupa, no entanto, é o que o Ministério das Comunicações fará com os canais de AM entregues”, disse.

No dia seis de junho, a presidente Dilma Rousseff aprovou a proposta de migração das emissoras de rádio AM para a faixa de FM, apresentada a ela pelo ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, no Palácio do Planalto em Brasília. A possibilidade de migração foi anunciada no dia 11 de junho, pelo ministro.

“A decisão da presidente Dilma será fundamental para o futuro de mais de 2.000 rádios AM que poderão integrar-se ao atual ambiente de convergência, com mais qualidade de transmissão e condições de seguir prestando o relevante serviço ao país”, afirmou o presidente da ABERT, Daniel Slaviero.

A migração será facultativa, feita livremente, sem que seja necessária a digitalização, mas o processo será oneroso, ou seja, será cobrado o preço mínimo de outorga para a localidade onde se situa a emissora. Caberá aos empresários decidir qual a melhor opção, analisando as diferentes características de cobertura, custo e qualidade do sinal.

Durante o período de estudos e discussões em busca da melhor maneira para resolver o problema da migração AM/FM, engenheiros da Superintendência de Serviços de Comunicação de Massa, da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), apresentaram uma pesquisa para os radiodifusores e representantes da ABERT, mostrando que a expansão da faixa FM pelos canais 5 e 6 de televisão, com o objetivo de aumentar a disponibilidade de canais de rádio, é tecnicamente viável.

“A extensão da faixa FM será possível com a desocupação de canais de TV. De acordo com o Decreto 5.820, até 2016 os canais com transmissão analógica serão desocupados com a transição do sinal analógico para o digital”.

Esta foi a principal conclusão do estudo “A extensão da Faixa de FM (eFM) e a migração da faixa de OM: o que fazer com os canais 5 e 6 da televisão na era digital”. De acordo com os engenheiros da Anatel, “o projeto piloto pode ser implementado em todos os estados brasileiros. Os canais 5 e 6 foram escolhidos por serem adjacentes às freqüências de FM e pertencerem à radiodifusão”.

A migração poderá preservar a história do rádio no Brasil, suas emissoras e os profissionais que nelas trabalham, evitando o fechamento de muitas delas, principalmente, no interior do Brasil. A medida beneficiará cerca de 2.000 emissoras de rádio em todo o país.

A programação já não separa tanto a rádio AM da FM. O som das rádios FM é limpo. O som das rádios AM é vulnerável a diversos tipos de interferências. Exemplo doméstico: um liquidificador ligado torna-se um inimigo ruidoso.

O rádio AM sempre foi uma fonte de entretenimento e notícias. As rádios FM estão cada vez mais informativas e interativas, desequilibrando a competição AM/FM. Acrescente-se a este cenário a popularização da TV. Resultado: perda de ouvintes e com eles os anunciantes.

Carlos Eduardo Behrensdorf escreve sobre a indústria do rádio de Brasília, Brasil.
Receive regular news and technology updates.
Sign up for your free Radio World NewsBytes newsletter here.

Thank you for your comment. Please note that posts are reviewed for suitability and may not appear until the next business day.